quarta-feira, 29 de junho de 2016

quarta-feira, 29 de junho de 2016
3398523565922854813
12 filmes para quem é apaixonado por literatura
http://www.ulige.com.br/2016/06/12-filmes-para-quem-e-apaixonado-por.html

O livro é sempre melhor que o filme?
É sabido que a adaptação cinematográfica raramente supera a obra literária. Mas, cada vez mais, os diretores tentam recriar os dramas e dilemas de livros que tanto adoramos, e, embora difícil, alguns resultados são tão bons quanto às histórias originais. Abaixo, uma lista de adaptações – algumas excelentes, outra nem tanto, mas... – que valem a pena assistir.


1. Crime e castigo (Fiódor Dostoiévisk – 1866)

Como um dos meus livros favoritos, a sua adaptação de 1998 (há outra mais recente, de junho de 2002, versão russa, do diretor Menahem Golan), do diretor Joseph Sargent, é boa, mas nem de longe transparece toda trama e sentimentos – deveras importantes para a compreensão e análise da história – que a obra original transmite.



2. Orgulho e preconceito (Jane Austen – 1813)

Em se tratando de um clássico literário, é uma boa adaptação, dirigido pelo diretor Joe Wright, de 2005. Keira Knightley (Elizabeth) está ótima no papel principal.


3. O poderoso chefão (Mario Puzo – 1969) 

A máfia italiana de Puzo é muito bem retratada na trilogia do diretor Francis Ford Coppola, de 1972. Com indicação a dez Óscares e vencedor de melhor filme e melhor roteiro adaptado, bem como melhor ator graças a Marlon Brando, a adaptação é, sem dúvida, uma das melhores desta lista.



4. O caçador de pipas (Khaled Hosseini – 2003) 

O livro é emocionante; o filme é bom, apenas. Está longe de ser uma excelente adaptação, mas torna-se interessante observar a fotografia do filme e comparar com a ideia que criamos ao ler a história.

   

5. O iluminado (Sthepen King – 1977) 

Uma obra-prima do gênero, com uma adaptação tão boa quanto, do talentoso diretor Stanley Kubrick (1990). É simplesmente imperdível.

   

6. O grande Gatsby (Scott Fitzgerald – 1925) 

A quinta e mais recente adaptação, do diretor Baz Luhrmann (2013), é um bom filme, boa atuação do Di Caprio, mas, a meu ver, é uma versão exagerada da história original.

   


7. O código DaVinci (Dan Brown – 2003) 


Excelente romance policial, e, embora bastante subestimado, sua adaptação cinematográfica é atrativa, não à toa Tom Hanks estrela o papel principal.

   

8. Os miseráveis (Victor Hugo – 1862) 

Com muitas adaptações, a versão mais recente de “Os miseráveis”, do diretor Tom Hooper (2012) acertou em cheio. Excelente fotográfica, excelente musical e, surpreendentemente, Hugh Jackman roubou a cena e mandou muito bem.

   

9. Romeu e Julieta (William Shakespeare – 1591) 

Mais uma obra-prima com dezenas de adaptações para o cinema. A versão do diretor Baz Luhrmann, de 1996, é inusitada, conta com um ambiente contemporâneo, cujas famílias rivais são impérios empresariais e as espadas são trocadas por pistolas. Ainda assim, a versão mantém basicamente os mesmos diálogos da peça original de Shakespeare.

   

10. O retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde – 1890) 

Esse romance filosófico é certamente um clássico. Sua adaptação mais recente, do diretor Oliver Parker (2009), divide opiniões entre os adoradores da obra. Particularmente, concordo com o clichê “prefiro o livro”.

   

11. Drácula (Bram Stoker – 1987) 

Com certeza um dos mais famosos contos de vampiros da literatura. Com inúmeras versões cinematográficas, talvez a mais popular seja a clássica “O vampiro da noite” (1958), do diretor Terence Fisher, cujo papel principal ficou para Christopher Lee. Porém, a versão do diretor Francis Ford Coppola (1992) também merece atenção.

   


12. O conde de Monte Cristo (Alexandre Dumas – 1844) 

Com direção de Kevin Reynolds, o romance de Alexandre Dumas ganhou uma belíssima adaptação (2002), com boas atuações e fotografia.

     
   
https://www.blogger.com/profile/14657032355176316743
ulige
2016-06-29T13:30:00-03:00
Discursiva Filmes e Séries Literatura Nathália Lippi

Nenhum comentário:

Postar um comentário